Tribo Fashion

Mês: abril, 2011

Pippa Middleton

Philippa Middleton, vulgo Pippa. Irmã de Lady Kate, agora Princesa Catherine. Foi a figurante que mais chamou atenção, a made of honor (madrinha de casamento), começou a chamar atenção a partir do momento em que saiu do carro para segurar a cauda (de 2,70m) do vestido da irmã. Dali pra frente, ela foi a coadjuvante que mais chamou atenção. Estava linda em seu vestido branco, Alexander McQueen.

Larga o meu príncipe, sua vaca!

Sobrancelhas

São capazes de mudar o rosto de alguém, moldar, melhorar as feições. Muitas mulheres não dão atenção a esse fato, fazem de qualquer jeito, em qualquer salão meia-boca, sem se dar conta do crime que podem estar cometendo com o próprio rosto. O rosto é parte muito importante no seu cartão de visitas, é o primeiro lugar que vão analisar (nem sempre!). Uma sobrancelha bem feita pode fazer milagres por você e para que ela faça milagres por você, é necessário que ela seja adequada ao formato do seu rosto. O que quero dizer é que nada adianta você ter uma sobrancelha grossa se seu rosto for todo fino e nem ter uma sobrancelha fina se o seu rosto não for “fino”, mas seguindo a linha “natural” da sua sobrancelha. A sobrancelha molda sim o seu rosto. E para conseguir a moldura perfeita, não basta pegar sua pinça tweezerman, parar na frente de um espelho e sair tirando aqueles pelinhos idiotas. Não, você vai precisar de uma boa profissional.

Eu descobri isso através de um post, séculos atrás no Fashionismo, que a sobrancelha precisa SIM de uma atenção especial. E foi nesse mesmo post que a Thereza recomendou uma designer de sobrancelhas, a Elis. Pois bem, o post é do dia 20 de outubro, eu só fui lá ontem, 29 de abril, hehe. Eu tinha a mesma mania da Thê, fazer a sobrancelha sozinha, tinha pavor de alguém entortando minha sobrancelha, que já é certa por natureza. Porém, devo confessar que morria de preguiça, porque não sei vocês, mas eu não gosto de sentir dor, hahahaha. E sobrancelha é o único lugar no corpo que me faz sentir dor, isso mesmo, nem virilha cavada com cera fervendo me faz sentir dor, hahaha. Enfim, no começo de fevereiro, estava de bobeira no salão, esperando o horário pra fazer a unha, resolvi testar a profissional do salão. Ela fez com pinça, nada de cera, e não é que ela conseguiu entortar minha sobrancelha? Esperei quase três meses e ontem, fui a Elis. De cara falei que queria fazer com linha, morrendo de medo da dor que eu ia sentir, mas me arrisquei. Digo logo, NÃO dói. A Elis contou que quem não sabe aplicar a técnica direito, causa dor nas clientes.  Além de não doer nada, a Elis faz uma sobrancelha divina, fiquei muito encantada com o trabalho e com a simpatia dela, vale a pena conferir.

Além do formato da sobrancelha, também é importante manter um bom “preenchimento” delas, isso não quer dizer que quem tem falhas na sobrancelha dela fazer implante de pêlos, hehe, não é isso. Existem kits com lápis, sombra, rímel, mil coisinhas para conseguir passar uma imagem de sobrancelha natural. Tem gente que curte usar lápis 2B (aquele que vende na papelaria) para preencher. Como a minha sempre foi muito preenchida, nunca dei muita atenção a essas coisas, até que há mais ou menos um mês, recebi um pacote aqui em casa. A Yes! Cosmetics estava me mandando um lápis para sobrancelhas, pensei logo: “O que vou fazer com isso?”, não tinha motivos para usar aquele lápis. Até que algumas horas depois me rendi e resolvi testar, ficou muito lindo! Óbvio que tive que passar com um certo cuidado e esfumar bastante (vem com um pincél na outra ponta pra isso) pra que não ficasse muito pesado, mas acho que esse é um cuidado necessário com qualquer tom de sobrancelha ou com qualquer “grau de preenchimento”. Eu IA colocar fotos aqui com e sem o lápis, mas esqueci o lápis com uma amiga e ainda não encontrei com ela, hahaha. Quando eu estiver com ele, prometo fazer um post pra vocês.

Voltando as sobrancelhas, acho que 95% das mulheres que não fazem a sobrancelha em casa, fazem com cera. O que muitas não sabem, é que isso é um crime grave. Porém, a morte do seu rosto só vai se “concretizar” quando você estiver mais velha e sem dinheiro para uma plástica ou botox. A cera agride muito a pele dessa região, que é muito sensível, sendo assim, vai deixando a pele flácida. Tingir as sobrancelhas em casa também é crime, você pode fazer uma cagada muito grande e sem volta. Além do mais, acho que tem que analisar bem, porque uma loira tingida pode ficar bem com a sobrancelha em tom natural, se essa não for muito escura, o mesmo vale para ruivas tingidas, eu acho. O principal é: um bom profissional para fazer sua sobrancelha e para te dar conselhos também.

Rio de Janeiro:

Elis Araujo

Rua Visconde de Pirajá, 156, sala 402 – Ipanema, Rio de Janeiro

(21) 9919-3566 / (21) 2287-7440

Sobrancelha com linha ou com cera: R$35,00.

Não aceita cartões, só dinheiro ou cheque.

São Paulo:

Rosman Braz

Lá no Proença

Rua Professor Artur Ramos, 395 – Jardim Paulista, São Paulo

(11) 3081-6218

Tem vídeo com o Rosman lá no Petiscos, clica aqui pra assistir.

Só até o dia 29

Ok, faltam três dias para o casamento real. Três dias para começar uma batalha e fisgar o príncipe William. Ainda dá tempo!!!! Quem me ajuda a sequestrar o bofe?

Vamos correr enquanto dá tempo de fisgar o príncipe William, porque o Harry NÃO DÁ!!!!! O que vocês preferem? Sequestrar o William ou matar Lady Kate? hahahaha brincadeira.

T-Shirt: Q-Vizu

R$149,00

Pro bofinho…

Acho que esse é o primeiro post do blog que fala só sobre moda masculina. Ok, não é sobre a moda masculina em si, já que essa não é a minha “área”. É sobre umas t-shirts que vi e adorei.

A Hurley desenvolveu uma coleção em parceria com alguns artistas. O californiano Bob Dob criou estampas divertidas, as minhas preferidas. As do Jason Maloney tiveram inspiração no skate gráfico, filmes de terror e heavy metal, para aqueles que adoram um rock pesado, acho que pode ser bem interessante. As ilustrações de Nathan Ota são baseadas em desenhos animados e histórias em quadrinhos. Além disso, a coleção ainda conta com participações de Dalek e Robt Williams. O dia dos namorados está longe, mas pode ser um bom presente-surpresa para o amado.

Color Blocking

Muito se fala em color blocking, aposta fashion do momento. Tem mais ou menos uma semana que parei para analisar essa tendência. Ok, lá venho eu com as minhas analises toscas de novo. O color blocking surgiu nas passarelas da Gucci em janeiro (fevereiro?), o que fui super comentado. Aliás, acho que dos desfiles internacionais, o da Gucci foi o mais comentado. A tendência do color blocking nada mais é do que montar um look “dividido” em blocos de cores, e cores fortes (laranja, pink, cobalto, violeta etc).

Enfim, vamos a minha análise tosca do dia.  A moda anda “simples”, quando falo em simples, me refiro a shapes. Não tenho visto nada muito “rococó” por aí, lotado de babados, romântico demais. Vejo a moda num estágio mais prático, mais “direto e reto”. Digamos que é como se fosse o retrato da mulher independente, sem tempo para mazelas sentimentais. Viajei? No vestido pastel, uma coturno. Na blusa lady like, um blazer masculino. Entendem aonde quero chegar? Aos poucos, formas sóbrias e retas foram sendo acrescentadas na composição dos looks nas últimas temporadas. Porém, ainda existia aquela profusão de estampas, o acúmulo de tendências, uma confusão onde existiam 30 tendências e ao mesmo tempo, nenhuma. Acredito que o color blocking seja uma maneira de simplificar a imagem, um retorno do minimalismo dos anos 90, mas sem perder a cor. Criar harmonia com “simplicidade”, acabando com o cansaço visual. Ok, acho que viajei longe e vou ser internada, haha.

Fotos: Reprodução

Arezzo: O que eu acho.

Ocorreu um bafafá no twitter: a coleção pelemania da Arezzo. Ativistas de todos os cantos do país começaram a protestar no twitter, o “caso” logo foi parar nos Trending Topics (os assuntos mais comentados), onde permaneceu por alguns dias. Após o assunto repercutir de forma muito negativa, a marca de calçados enviou um comunicado informando que retiraria de suas lojas todas as peças com pele animal (apesar de serem  peças autorizadas), o que já aconteceu.

Existem aqueles mais radicais, existem os que são contra o protesto, os que dizem que antes deve-se lutar para combater a fome e o trabalho escravo. Opiniões são muitas e vêm de todos os lados, num português “popular”: opinião é que nem bunda, cada um com a sua. Sabemos bem que os mais radicais não aceitam que suas opiniões sejam contestadas, e isso foi o que mais me incomodou. Na verdade, muita coisa me incomodou e que joguem pedras em mim, o que menos me incomodou foi o fato de uma marca brasileira criar uma coleção com pelos de animais (continue lendo e você vai entender). Acredito que para criticar uma girafa, por exemplo, não podemos fazer nada inferior a girafa. O que quero dizer com isso!? Não adianta uma fashionista amar o uso de casacos de pele da Chanel, da Dior ou de seja lá quem for, mas quando for uma marca brasileira reclamar. O erro maior não foi da Arezzo, foi do IBAMA, do órgão responsável pela defesa de animais, quem autorizou o uso das peles. Assassinato dos animais autorizado; erro de quem compra, mas esse é um direito de cada um, parte do senso ético que existe dentro de cada um -e senso, pra mim, é algo particular, cada qual tem o seu. O que me irrita é a hipocrisia das pessoas, é óbvio que o movimento no twitter foi maravilhoso, um passo muito interessante, porém acreditar que isso vai resolver algo em grande escala é ingenuidade. Que me perdoem, mas o que é o Brasil, em questões de moda, no mundo? A gente não dita nada! Se a Arezzo produziu peças com pelo, não foi porque  alguém da família Birman (sim, a do Alexandre Birman, responsável pela Schutz) acordou com vontade de produzir peças com pele de raposas. Basta ver fotos dos últimos desfiles das semanas de moda, tem pele em quase todos, peles foram alertadas como tendência. Como já falei por aqui, o Brasil não dita tendências, o Brasil segue tendências, o que é bem diferente.

A forma como retiram a pele dos animais, é realmente horrível, algo que prefiro nem comentar. Porém, o fato reivindicado é: a morte de animais, a morte de animais para uso supérfluo. Ok, pele não pode, mas sapato de couro, pode? Bolsa de couro, pode? Cinto de couro, pode? Partindo do princípio, não, não pode. Mas todo mundo usa, há anos, e ninguém reclama, por que? Qual a diferença? É isso o que me irrita. O couro pode, o pelo/pele não pode. A grife internacional pode, a Arezzo não pode. Só acho que estão condenando a marca errada. Quando vou criticar esse tipo de coisas, penso: tenho moral para criticar a tal marca? Geralmente, a resposta é não. Não só marcas, como atitudes também. Então, não critico. Uma vez, uma coordenadora do colégio, disse em minha turma que quando você aponta um dedo para alguém, outros três estão voltados para você. Sempre penso nisso. E acho que todos devemos pensar bem antes de criticar a Arezzo. É um bom passo, mas não é criticando ela e deixando de criticar grandes grifes, com uma visibilidade muito maior, que vamos conseguir resolver. E mais do que isso, antes de criticar a Arezzo, devemos analisar nossas atitudes.

E antes que me matem, eu sou contra o uso de peles em qualquer lugar. Peles fakes podem fazer o mesmo efeito, sem matar bichinho nenhum.

Pomodorino

Falei aqui sobre o aniversário da minha tia. Na minha família, é muito comum irmos parar na pizzaria Capricciosa em qualquer comemoração. Dessa vez, foi diferente. Dã, era a tia incrível quem estava fazendo aniversário, hahahahah. Fomos num restaurante na Avenida Epitácio Pessoa, com vista para Lagoa Rodrigo de Freitas, existe coisa melhor? Existe vista da Lagoa à noite com a família. Pois bem, fomos num restaurante muito do fofinho, decoração muito apaixonante (pra quem curte algo mais clássico).

Esse foi o prato que eu pedi, ravioli de salmão defumado com molho de açafrão defumado.

O melhor momento: sobremesas. Torta de chocolate branco com maracujá.

Pomodorino Ristoranti

Avenida Epitácio Pessoa, 1104 – Lagoa

Entre as ruas Gárcia D’Ávila e Maria Quitéria

Preço: $$$

Não aceita cartões de Débito nem de Crédito.

Ícone

“Estilo é algo pessoal. Não existe multidão a se seguir. Não existem regras. Não existem estações. O estilo vem de dentro. Se existe algo de absoluto em relação ao estilo é o fato de você ser responsável por si mesma o tempo todo. Você precisa ter confiança em quem é antes de estar completamente à vontade para se apresentar ao mundo exterior. A forma como você se apresenta é importante e está intimamente ligada à sua personalidade. Sempre que veste uma roupa, você revela algum aspecto de sua identidade. Com estilo, você diz ao mundo quem você é ou, pelo menos, conta a história de quem gostaria de ser naquele dia em particular.”

(O livro negro do estilo – Nina Garcia)

“Acredito que estilo pode ser a melhor expressão do caráter de alguém, uma legítima ressonância do que somos. Para mim, como sempre digo, viver com mais estilo significa transformar a banalidade da existência em experiência original, exclusiva, não importa a idade que você tenha. Aliás, na medida em que o tempo vai passando, a mulher deve cada vez mais apurar e refinar o seu estilo.”

(Confidencial: segredos de moda, estilo e bem-viver – Costanza Pascolato)

Esse poderia ser só mais um texto qualquer sobre estilo, mas não é, tem valor sentimental. Não, não vou falar de nenhuma mulher conhecida pelo mundo da moda, mas muito conhecida por mim. É um blog pessoal, portanto posso colocar um texto desses aqui, além do mais não vou fugir tanto assim do assunto-base: moda.

Desde pequena, tenho paixão por uma tia em especial: a tia Betty. Quando falo sobre tios, ela nunca é apresentada pelo grau de parentesco certo, tia-avó. Pensemos, a diferença de idade entre ela e a irmã mais velha (a minha vó) é de 17 anos, já a diferença para o sobrinho mais velho (meu pai) é de 8 anos, logo, é mais tia do que tia-avó, correto? Na minha cabeça -esquisita-, tia-avó é aquela tia chata, que você não faz a menor questão de encontrar, com assuntos chatos e presentes esquisitérrimos. Essa é a minha visão de tias-avós e esse é o contrário da minha tia Betty. Sempre mantive uma espécie de admiração secreta por ela. Não que eu não tenha liberdade para chegar e falar, mas odeio que achem que é bajulação ou que existe algum interesse por trás de um elogio, não é do meu feitio. Porém, hoje é um excelente dia para fazer um post que venho adiando há algum tempo, é aniversário dela. E antes que pensem que é Betty de Elizabeth, não, ela é Beatriz mesmo.

Estilo é segurança, certo? Isso eu posso garantir que ela tem. Não aquela segurança exacerbada, que perturba o juízo que está perto. É algo divertido, aquela pessoa que você vê de longe e tem vontade de ser amiga de infância. É divertida. Taí, algo que nunca vou esquecer na minha tia, o sorriso, a maneira como ela ri. Automaticamente, você tem vontade de rir junto, contagia. Ela não é uma senhora, apesar da idade, para mim ela é mais jovem que muita garota de 20 anos. É algo que ta na alma, tem frescor. Hoje em dia, é difícil achar uma pessoa que saiba se colocar, ela sabe. Sabe a hora de falar um palavrão- sim, ela fala palavrões e da forma mais corriqueira possível, sem parecer que está forçando algo, sem ser chamativo-, de corrigir. Opinião, personalidade forte, tudo aquilo que vemos numa pessoa estilosa podemos encontrar nela. Pra mim, a parte principal no estilo é o “interno” da pessoa, quem ela é de verdade. O interno da minha tia tem estilo, se assim posso dizer.  O estilo dela também é externo, imaginem uma senhora (que de senhora não tem nada), baixinha, com vestidos longos da Totem, coloridos. É ela! Quando vejo a minha tia usando vestidos midi, vestidos longos, o que for, parece que foi feito pra ela, ninguém sustenta aquilo melhor que ela. E estilo também é isso, sustentar uma imagem. Mas não só de vestidos coloridos a minha tia é feita, ela é muito mais listras do que coloridos. Quer fazer os olhos da minha tia brilharem? Listras! Ela fica linda de listras, tem mil peças listradas. Ela tem estilo até com uma calça jeans e seu tênis que te deixa com pernas de Olivia Palito (a namorada do Popeye), ela se sente confortável, ela faz você ter vontade de usar um tênis igual. Até a amarração do tênis dela é diferente, hahah. Lembro-me de um dia em que tinha saído de casa e encontrei a minha tia na esquina de casa, com um suéter rosa bebê, mas não aquele rosa bebê feio, um rosa meio salmão, enfim, ela estava linda, não tinha nada de muito importante ali, mas ela estava linda. O mais simples ou o mais elaborado, sempre fica lindo, quando escolhido por ela. Acho engraçado quando ela elogia o estilo de uma mulher como Constanza Pascolato ou Chanel (ícones de estilo de qualquer mulher que se preze), elogia a elegância das duas, como se fosse algo complicadíssimo de ser alcançado, na minha cabeça, ela já alcançou a muito tempo.

Penso em Beatriz Machado Bona e lembro de coca-cola, paçoca, programa do Jô, madrugada, acordar tarde, saquê, champagne, japonês, viagens, Henrique VIII, Eleonor de Aquitânia, Elizabeth I. Lembro do simples e do chique, da arte de saber viver a vida. Sinto orgulho em conhecer essa mulher, mais orgulho ainda de ser sobrinha e poder vê-la uma ou duas vezes por semana. Ela está lá, na minha lista de mulheres que são ícone de estilo. Alguém que nasceu com bom gosto e frescor.

Coisa linda!

Após sair do workshop do Dudu, fui até a Livraria da Travessa, em Ipanema. A Gabi precisava ocupar o tempo até a hora de ir para o aeroporto. Só consegui pensar na Livraria da Travessa. Estávamos olhando uns livros de moda (é claro!) e logo depois, a Gabi lembrou de um livro sugerido pelo Dudu Bertholini e foi atrás de um atendente. No caminho, vi a criança mais fofa do mundo. Não, ela não era branca, loira e de olhos claros, pelo contrário.

Hoje em dia, me irrito ao ver crianças que se vestem como adultas em miniatura. Coisinhas pequenas de salto alto, batom, etc e tal. Ok, eu passei por essa fase, mas não ficava o dia inteiro pendurada num BlackBerry. E sim, paro para pensar e só vem uma coisa na minha cabeça: “como eu era ridícula”. Criança taí pra ser confortável, se divertir, não pensar no dia de amanhã. Ok, eu ainda sou uma criança também, mas elas são mais novas, ah, vocês entendem, né? hahaha. Enfim, também não quero dizer que crianças devam se vestir de moletom, tênis, bregamente, beijo e vambora. Nanão! Crianças estilosinhas (vestidas por mães estilosinhas, melhor dizendo), me encantam, são a coisa mais fofa. A menina da Travessa era assim, bati o olho nela e babei, fiquei tímida, com medo de me aproximar e pedir uma foto. Ela estava com um homem, deduzi que fosse o pai e pais não são simpáticos. Foi quando estava me aproximando, que chegou uma mulher, entregou um livro pro cara (que já estava pagando seus outros livros). Achei ótimo, a criança tinha uma mãe por perto, ela virou e eu fui atrás dela, gentilmente a chamei e perguntei se podia tirar uma foto da criança. Estava gelada, esperando um não. Ela riu e disse que eu deveria perguntar ao pai da garotinha, ela perguntou por mim e ele disse que sim. Nesse momento, ela começou a fazer charme (é, ela não estava se escondendo, estava fazendo o serviço dela, hahaha) e não parou mais quieta e como péssima aspirante-a-metida-a-fotógrafa (ufa!) que sou, não tirei uma foto decente da pequena. Assim que tirei as fotos, agradeci e vi que os livros que o pai dela estava pagando, eram todos de moda. Sorri e fui atrás da Gabi.

Eu quero um botão de tartaruga pra mim

Fotos mais amadoras impossível, foco péssimo, mas a menininha é tão linda, tão fofa, precisava compartilhar.

Wonder Woman – M.A.C.

Acredito que já tenham lido sobre a coleção da MAC inspirada na Mulher Maravilha. Até porque, o assunto foi comentado por toda a blogosfera meses atrás. Só que a MAC lança tanta coisa, que fico com preguicinha de postar por aqui. Quem quiser descobrir tudo detalhadamente, recomendo o Just Lia, que sempre posta sobre essas coleções novas. A coleção está prevista para começar a vender no Brasil em maio, se não me engano. MAS a minha dinda linda e amada, voltou recentemente do Chile e trouxe pra afilhada preferida dela (ai, dela se arrumar outra, MORRE! Espero ter sido clara hihi) uma “palete” da coleção. É MUITO grande, gente. Minha mão é levemente pequena, mas o bicho ocupa boa parte dela.

Eu não entendo muito de maquiagem, aliás, não entendo nada, só o básico, mas juro que tento. Então, v0u tentar explicar pra vocês, ok? Pelo que me parece, são dois iluminadores (isso eu tenho certeza) e um bronzer, mas ainda estou em dúvida se é um bronzer ou um finalizador. A textura me parece de finalizador, mas a cor de um bronzer. Ok, que eu sou meio branca demais, então pode ser um finalizador mesmo, hahaha.

Minha mão saiu MUITO esquisita nessa foto, mas dá pra vocês terem uma noção do tamanho do produto.

Eu super acho que essa parte vermelha deveria ter um espelhinho, mas tudo bem, a gente sobrevive.

Lá em cima: iluminador; no meio: bronzer; embaixo: blush, beeeem brilhoso.

Acabo de chegar a uma conclusão: minha mão não é fotogênica, hehe. Nessa foto dá pra ver bem como o blush brilha. É absurdo! Dá pra usar tranquilamente (nem tanto) como iluminador.

Fotos: Blog Tribo Fashion

Enquanto estava escrevendo o post, consultei duas amigas do coração e entendidas de maquiagem. A Mônica, do blog incrível Beauty Drops, contou que o produto “do meio” é um bronzer mesmo. Logo, lhes informo que o bicho vai morrer sem ser usado, porque ele fica meio escuro na minha pele, tem que espalhar muuuuuuito. Ela também contou que um pincel “duo fiber”, pode me ajudar a conseguir usar, a misturar os produtos e chegar a uma cor que se “adapte” melhor a minha pele. Já a Pritty, do Arquiteta Maquiada, também incrível, falou coisa semelhante a Mônica. Me explicou que nesse tipo de “palete”, o mais legal é misturar as cores até adquirir algo que combine com a sua pele e até, cores novas.

Agora, voltando as minhas inúteis opiniões. Lembram desse post aqui, onde contei sobre a minha experiência falida com o Magically Cool da coleção Venomous Villains da M.A.C.? Pois é, eu estava disposta a iniciar uma caça a iluminadores, algum ia ter que funcionar, haha. Até que essa preciosidade veio parar aqui em casa (santa madrinha que minha mãe deus me deu), o iluminador tem uma textura muito interessante (acho que prefiro coisas “prensadas”). Ele fica lindo na pele, ainda não saí com ele, só testei mesmo. Ele brilha, mas não é tããão discreto como o Magically Cool, gostei bastante.

E para quem quiser comprar, o preço aqui vai sair por R$157,00, por isso, tentem comprar lá fora, hahaha.

Colaborações: Beauty Drops e Arquiteta Maquiada.