Black Swan

por Alexia Chlamtac

Ontem, eu fui ao cinema assistir Black Swan (Cisne Negro). O filme mostra a obsessão de uma bailarina em busca da perfeição em seus atos. A busca pela perfeição é tamanha, que seus movimentos acabam ficando presos demais em boa parte de seus ensaios, libertando-se apenas na cena final. A sua obsessão pela perfeição é tanta, que ela começa a ter conflitos com sua mãe, a ter conflitos com suas companheiras de dança, acreditando que querem roubar o seu posto, agora de primeira bailarina. Porém, sua maior luta é com seu psicológico, pois ela começa a ver seu rosto em outras pessoas com qual ela não se entende, principalmente em Lilly. Não o lado meigo que ela representa ao longo do filme, mas um lado negro. Em sua atuação final, a transformação é brutal. O filme se arrasta na primeira metade, acaba sendo meio sonolento. Demonstra os sacrifícios de uma bailarina, suas dores, mas não prende com tanta emoção, talvez um erro de roteiro. O final, porém, é totalmente surpreendente. Nesse momento, o telespectador se vê fazendo parte do filme, envolvido pelos olhares e movimentos da bailarina.

A atuação da atriz Natalie Portman é incrível, no começo do filme, ela faz a perfeita garota inocente, frágil, frígida, com a voz doce e em alguns momentos, doce demais. Ela consegue transpassar ao público sua compulsão pela perfeição, seus transtornos psicológicos. Não foi atoa que ela ganhou o Oscar de melhor atriz, foi merecido. O problema que vi no filme, não foi o elenco e sim o roteiro, pouco envolvente. Porém, essa falta de envolvolvência não diminuiu o sucesso do filme. O carnaval desse ano foi invadido por fantasias inspiradas no Cisne Negro, todos falam de Natalie, e foi pensando nisso que a marca Estela Geromini criou uma linha exclusiva inspirada no filme.

Adorei essa pulseira

Fotos: Divulgação

Anúncios